- OPINIÃO

TANGOS E TRAGÉDIAS. PARTE X.

O enredo é antigo. Um filme repetido à exaustão. Eliminações, derrotas, vexames e discursos. Mais eliminações, mais derrotas, mais vexames e mais discursos. Só troca os atores.

Tanto é verdade que o torcedor já nem se avexa mais. Repetir que o treineiro é incompetente, que os rapazes que batem na pelota são limitados, que a diretoria é tosca, que isso que aquilo já virou um chato mi-mi-mi. Ouço desde o tempo que o mar morto, estava apenas doente.

O torcedor nem discute mais belas jogadas, dribles, lançamentos e coisa e tal. Estes quesitos ficaram no passado.  Após cada jogo a discussão é a mesma: diretoria incompetente, treineiro ruim, pangarés e por ai vai. Está aí um importante indicador que a carroça tombou.

O fato é que a agremiação se apequenou de um jeito que não tem mais retorno. A única solução viável é entregar a alma da massa falida para um desses milionários russos, ou do Oriente. Porém, também estamos atrasados. Paranito já tomou a dianteira.

Porém, a limitação de estatutos, a soberba e a arrogância própria de quem come cebola e arrota caviar impediria tal movimento.

Nesse pantanoso horizonte, as eliminações para times como URT e Manaus e derrotas “pedagógicas” para times emergente são pequenos vieses na rota de colisão com o fim.

Passamos de coadjuvantes para saco de pancada. Um Íbis do sul.

Porém, nós simples torcedores, também padecemos de uma patologia crônica. Uma simples pesquisa nos comentários da galera nas “redes”, essa coisinha moderna que robotizou o ser humano, para verificar que também a ficha não caiu.

Temos a petulância de achar que esse ou aquele profissional não serve para o clube. Como se o mesmo ainda fosse o gigante que ensaiou despertar na longíssima década de 70

Esquecemos que também o torcedor, sim o simples torcedor, tem alguma culpa no enredo catastrófico que a instituição se meteu. Exemplos não faltam; desde a eleições de conselhos molambentos até a invasões de gramado.

Sempre digo, nas minhas consultorias, que enquanto há vida se tem esperança que o moribundo sobreviva. Porém, teria que resistir a um fortíssimo choque.

Paulo Rink

Share Button

7 Comentários em “TANGOS E TRAGÉDIAS. PARTE X.

  1. Fato ou é. Ou se renova o estatuto do Club, ou a famiglia deita e rola. aliás dentro da conduta Coxa a mesma Famiglia já seria extinta do quadro associativo do Club. Não tem MACHO do conselho que me desminta, simples assim.

Deixe uma resposta