- OPINIÃO

Choque de realidade

O fato de participar da mídia alternativa me permite escrever com total isenção, pois não dependo dos agrados intramuros do Couto Pereira.

Tenho visto a mídia tradicional ser complacente com discursos vazios, repetitivos e não condizentes com a realidade atual do Verdão.

Então, vamos a algumas análises dos discursos pós-jogo na derrota para o CRB.

“A gente lamenta, lamenta, porque a gente teve o controle da partida…” – Umberto Louzer

Não, não tivemos o controle da partida. O Chamusca abocanhou o Louzer, deixando o Coxa trocar passes no meio campo e atraindo-o para seu campo defensivo, apostando nos contra-ataques. Os números não mentem. Se tiverem dúvida, vejam os melhores momentos (https://www.torcedores.com/noticias/2019/05/crb-coritiba-melhores-momentos-serie-b).

“Não tenho o que falar, eu assumo isso. A única coisa que vai reverter é eu trabalhar cada vez mais. Tenho que esquecer isso aqui, já passou. Agora temos que pensar no Cuiabá” – Rodrigão

Rodrigão, não temos “que esquecer isso aqui”. Temos que lembrar sempre, a cada treino, a cada jogo, para que esses erros não se repitam.

“Nosso time, ao meu modo de ver, tem que trabalhar o último passe” – Giovanni

Quem estava encarregado do último passe? O próprio Giovanni? Welinton Júnior? Vitor Carvalho? Estou vendo aqui os intocáveis do Louzer ou dos corredores do Alto da Glória.

“Fizemos um bom jogo, mas saímos com o resultado negativo” – Romércio

Desculpe-me, Romércio, mas o jogo foi, tecnicamente, sofrível.

Agora vamos analisar a escalação do time do que quis “propor o jogo” e as substituições do Louzer.

Começamos com a escalação de dois volantes e apenas um meia de criação. Ora, se propõe do jogo com ligação direta da zaga para o ataque? Quer propor o jogo, utilize dois meias de criação, pois eles são o cérebro da equipe. Deixar a criação para zagueiros e volantes não parece ser uma opção inteligente. Eventualmente um lance ou outro podem dar certo, mas essa não é a regra.

Quanto às substituições, posso afirmar que sem medo de errar que a saída do João Vitor foi equivocada, pois este jogador atualmente tem mais técnica do o Vitor Carvalho. Mas aí, vem a imprensa tradicional e diz que Louzer acertou na substituição porque o João Vitor tinha recebido um cartão amarelo. Meus amigos, o meia Ferrugem do CRB recebeu um cartão amarelo aos 11 minutos do primeiro tempo e permaneceu em campo atormentando o Verdão até os 27 minutos do segundo tempo.

Outra patacoada do treinador Alviverde foi sacar Patrick Brey. Sem dúvida ele era o jogador mais perigoso, lúcido e voluntarioso do Coritiba, enquanto Welinton Júnior estava apagado.

Se alguém tiver dúvida quanto às substituições que Louzer fará no jogo contra o Cuiabá, já adianto: No segundo tempo, depois dos 15 minutos, entrarão Juan Alano e Arancibia. Previsível de mais.

Para encerrar, tenho lido muitos comentários de torcedores do nosso Verdão e gostaria de deixar registrado aqui uns fatos intrigantes por eles levantados:

– as melhores partidas foram sem o Giovanni;

– Diogo Mateus não recompõe com rapidez o sistema defensivo;

– Wilson é o cobrador oficial do time.

Como todo torcedor é também técnico da sua equipe, vou dar minhas dicas para o Louzer montar o Coritiba para jogos dentro e fora de casa. Aí vai: Wilson; Diogo Mateus, Alan Costa, Romércio e Willian Matheus; João Vitor, Giovanni e Luiz Henrique; Patrick Brey, Rafinha e Rodrigão.

Vale lembrar que o Couto estará quase lotado e um novo tropeço em casa vai respingar diretamente no treinador.

Saudações Alviverdes!

Ricardo Justus Barreto

A coluna assinada não reflete a opinião do website, sendo de responsabilidade exclusiva do respectivo autor.

Foto: Divulgação Coritiba

Share Button

17 Comentários em “Choque de realidade

  1. Com este time e o Coritiba F.C terá este ano e nós pudemos necessários, subirá acessos série A e primeira divisão!
    Eduardo Requião Lopes dos Santos 42 anos

    1

Deixe uma resposta